MANDE SUA PERGUNTA, SUGESTÃO, ELOGIO OU CRÍTICA PARA BLOGDODRUMMOND1@GMAIL.COM


Juçara, sou casada há 9 anos, tenho 32 anos e 2 filhos, um de 4 e um de 6 anos.No início do casamento, meu marido parecia um príncipe. Após 2 anos de casada, porque eu queimei uma fritada, fui agredida com um tapa na cara. Decidi sair de casa e voltar a viver com meus pais. R., meu marido, me implorou que o perdoasse.Minha vida voltou ao normal durante cerca de 8 ou 9 meses, quando por ciúmes de um amigo gay ele me deu um soco no estômago.Durante a minha primeira gravidez, perdi minha mãe e 2 anos depois meu pai. Meus irmãos venderam a casa e repartimos o dinheiro. Gastei a minha parte com as crianças já que R. não contribuía com quase nada.Hoje vivo um casamento sem amor, não sou mais agredida fisicamente, mas sou agredida verbalmente todos os dias. Não tenho dinheiro para comprar nada para mim, não tenho qualificação profissional e dependo de R. para me sustentar.Tive alguns casos extraconjugais, mas nada muito sério. O que devo fazer para sair desta situação?

L. - Rio Branco/AC



JUÇARA RESPONDE:


Olá, L.! Sinto muito por tudo que tenha acontecido com você, infelizmente, nós mulheres, ainda não temos  o respeito que nos é devido. Eu penso, que seria interessante que você entrasse no mercado de trabalho e que buscasse cursos gratuitos de qualificação profissional na sua cidade. Ter um bom salário, não requer necessariamente uma formação superior. Através de cursos qualificatórios, logo você terá uma profissão e será mais fácil conseguir garantir a sua renda e o sustento da sua família. Vale lembrar, também, que é obrigação dele pagar a pensão ao filhos e que eles têm direito aos bens adquiridos pelo seu marido, independente da comunhão de bens escolhida por vocês. Procure a assistência social e conselho tutelar da sua cidade, eles podem te informar corretamente tudo que você e seus filhos podem ter direito: benefícios sociais, permanência em abrigos, entre outros.

Acredite em você. Você é capaz! 

Estamos todos torcendo por vocês! Abraços!